Excertos

por Rodrigo Ghedin

24

Que ano mais… estranho para começar uma tradição que tomo a liberdade de copiar do Matt. Hoje é meu aniversário, faço 24.

Sempre fui meio tímido para alardear meu aniversário, então usava a virada do ano para, junto com um “Top 5” dos posts publicados no anterior, traçar metas e avaliar o ano que passou. Mas o ano novo é uma data muito comum, meu aniversário, não. Compartilho esse dia com mais de 9 milhões de pessoas (no mínimo), mas de qualquer maneira essa é uma quantia ínfima perto de 6 bilhões, não?

Meus 23 foram bons em vários sentidos, mas principalmente no âmbito profissional. Tomei algumas decisões importantes, que mudaram radicalmente meu workflow e, junto a isso, trouxeram mais tranquilidade para pagar as (ainda) poucas contas no fim do mês e os (cada vez mais raros, e que continue assim) anseios consumistas. Podem não ter agradado a maioria, essas decisões, mas apesar de algumas baixas (que reconheço), no geral tudo se encaminha bem.

Voltei à universidade, agora num curso com o qual tenho mais intimidade e apreço, fiz coisas que jamais imaginei faria, como dar uma palestra para mais de duzentas pessoas, viajei, pouco, mas é melhor que nada, e mantive as coisas em ordem, meta tão simples na teoria, mas tão difícil de se obter na prática.

Para meus 24, pretendo focar numa coisa que, acho eu, não existe em português: “decluttering”. Basicamente, isso significa eliminar os excessos, ater-se ao necessário, evitar desperdício e impulsos consumistas. É uma ramificação do minimalismo muito interessante, sobre a qual tenho lido bastante e, na medida do possível, tentado pôr em prática na minha vida.

Também quero melhorar enquanto escritor/redator/editor/seja-lá-o-que-eu-faço. Melhorar minha frequência, melhorar a qualidade dos meus textos, melhorar de modo geral. Para isso, terei que ler mais do que leio, estudar mais do que estudo e dedicar-me mais do que me dedico.

Ah, e também começar a praticar alguma atividade física, porque a idade vem chegando, e aquela pequena saliência na barriga é um mau sinal de que os bons tempos de “coma o que quiser, surpreenda-se emagrecendo com isso” estão prestes a ficar no passado. Natação é o que mais me agrada e provavelmente o que farei para recuperar a forma.

A todos que já me parabenizaram hoje, muito obrigado!

8 Nov 2010