Excertos

por Rodrigo Ghedin

31

“Essas grandes movimentações — trabalho, formação — tomam tempo, então me parece surpreendente, revendo o que passou, o tanto de novidades que eu tinha uns anos atrás nos intervalos entre eles.”

Escrevi o trecho acima há exatamente um ano apenas para, hoje, me contradizer: estou morando em outra cidade e trabalhando em outro lugar, duas das maiores movimentações que podem acontecer com alguém. Também passei por grandes mudanças no não fazer. Estou sem estudar formalmente, algo meio raro nesses 31 anos — passei apenas cinco deles fora da escola ou de uma universidade.

O último ano foi agitado, e não por dilemas ou crises que essas viradas de década costumam (dizem) desencadear nem só pelas mudanças de endereço, acadêmica e profissional. No geral, tive pouco tempo para pensar em questões existenciais, o que pode ser encarado como um sinal de que a vida está acontecendo. Mas, melhor que isso, esse período foi bem ocupado e distribuído. Comigo mesmo, com as muitas pessoas novas que tive o prazer de conhecer e com aqueles que já faziam parte da minha vida e continuam, apesar da distância. Mesmo fora da universidade, aprendi bastante. Diverti-me muito também. Foi um bom ano.

Ao mesmo tempo em que me sinto satisfeito, preocupa-me o entorno. Ano passado, escrevi que a Internet precisava ser revista. Foi um comentário presciente de tal forma que estaria mentindo se dissesse que tinha ideia do que estava por acontecer e do papel que ela teria nesse delírio coletivo em que nos metemos. Está sendo pior do que qualquer um poderia imaginar, mas sou otimista e acho que tem jeito. Só não sei como.

Voltando ao meu umbigo, acho que a única coisa que negligenciei foi no cuidado com meu corpo. Retornei ao sedentarismo, no começo do ano pela correria das mudanças, mas, depois, instalado e adaptado à nova vida em Curitiba, continuei apegado àquela desculpa que já não colava mais. Preciso voltar a fazer alguma coisa.

De resto, continuar nessa levada seria ótimo. Os meus trinta foram bons, estáveis: sem sustos, mas com surpresas agradáveis e muitos momentos felizes. O que mais alguém pode querer?

Anos anteriores: 24, 25, 26, 27, 28, 29 e 30.

8 Nov 2017